As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - www.icmbio.gov.br
01/12/2009
Trabalhos de servidores do ICMBio sao premiados no Simposio Brasileiro de Areas Protegidas

Dois trabalhos apresentados por analistas ambientais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) receberam prêmio de melhor pôster para o IV Simpósio Brasileiro de Áreas Protegidas e Inlcusão Social (Sapis), realizado na último semana de novembro, em Belém (PA).

Os melhores trabalhos foram intitulados por "Literatura de Cordel como forma de comunicação com Populações Tradicionais - O caso da Reserva Extrativista Arapixi", apresentado por Felipe Cruz Mendonça e "Perspectivas de vida na Reserva Extrativista: A visão dos moradores da Resex do Médio Juruá (AM)", apresentado por Paula S. Pinheiro.

Durante o evento, representantes da comunidade científica, de órgãos públicos responsáveis pela gestão de áreas protegidas e de instituições do terceiro setor, do Brasil e do exterior, tiveram a oportunidade de debater temas importantes relacionados à práxis de planejamento e gestão de áreas protegidas no Brasil.

Neste simpósio, a inclusão social foi considerada como ponto de partida para as estratégias de gestão de áreas protegidas no País, como as parcerias, o compartilhamento de responsabilidades e a distribuição justa e eqüitativa dos benefícios gerados pela proteção da natureza. Os Anais do evento encontram-se no site: http://www.redesapis.org.

ICMBio - Além de ter os trabalhos premiados, o ICMBio teve intensa participação no Seminário Brasileiro de Áreas Protegidas e Inclusão Social (Sapis), que foi realizado entre os dias 22 e 25 de novembro. O evento foi organizado em 10 sessões técnicas e 6 workshops. O Instituto garantiu uma representação à altura da importância de seu papel dentro da temática do evento, em que servidores apresentaram trabalhos técnicos, participaram de debates e coordenaram atividades. As unidades de conservação federais foram objeto de sessões técnicas e trabalhos realizados também por pesquisadores e técnicos de outras instituições.

Dentre as atividades propostas pelo ICMBio, destacam-se dois workshops - "A Participação dos Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais nas Políticas Públicas relacionadas à gestão de seus territórios - o caso das sobreposições"" ministrado pelas servidoras Érika Pinto (ICMBio/sede) e Iara Vasco (Coordenação Regional de Florianópolis).

Nesse workshop, foram apresentadas algumas iniciativas de gestão compartilhada em áreas sobrepostas entre unidades de conservação (UCs) e terras indígenas, como pano de fundo para a discussão sobre as possibilidades e desafios desta realidade colocada para a gestão ambiental nos últimos anos.

Segundo Érika, a institucionalização do debate sobre a questão das sobreposições deve partir dos pontos em comum existentes entre os Territórios Indígenas e UCs e da potencialização dos pontos fortes de cada um dos modelos de conservação, de forma que a gestão ambiental, como um todo, saia ganhando no processo.

Já o workshop "Educação Ambiental em Unidades de Conservação", coordenado pelo ICMBio conjuntamente com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), discutiu a Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do SNUC (Encea). Uma das coordenadoras do workshop, Flávia Rossi, analista ambiental do ICMBio, destaca que a Enecea vem sendo vista como proposta norteadora da institucionalização da Educação Ambiental no âmbito do Instituto, uma vez que sua construção encontra-se respaldada em amplo debate com os educadores dos variados âmbitos de atuação, público e social, e no Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas (PNAP). A outra coordenadora do workshop foi a Iara Carneiro do PDA/MMA (Subprograma de Projetos Demonstrativos) O Encea também foi objeto de trabalho de pesquisa apresentado em sessão técnica do evento intitulada "A estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental - uma análise crítica".

No evento foram debatidas várias questões relativas a diversas experiências de educação ambiental e popular no âmbito das UCs, dentre as temáticas abordadas pelos pesquisadores e técnicos participantes do evento. Questões como ferramentas de gestão participativa, uso sustentável dos recursos naturais, populações tradicionais residentes em UC de proteção integral, discussões quase sempre abordadas através de estudos de caso que contemplaram várias UCs federais, como os Parques Nacionais do Jaú/AM e da Serra dos Órgãos/RJ, Resex Marinhas de Arraial do Cabo/RJ e do Soure/PA, das Resex Cazumbá-Iracema/AC e Mãe Grande/PA, dentre outras.