As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - www.icmbio.gov.br
06/02/2013
Reservas do Marajo discutem turismo de base comunitaria

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) acaba de promover o primeiro intercâmbio sobre turismo de base comunitária para as unidades de conservação da Ilha do Marajó, no Pará. As reuniões, que ocorreram de 27 de janeiro a 1o de fevereiro, foram realizadas na Vila do Pesqueiro, na Reserva Extrativista (Resex) Marinha de Soure. Além dessa unidade, participaram moradores das Resex Terra Grande Pracuúba, pioneira nesse tipo de discussão, e de Mapuá.

Os debates sobre o turismo de base comunitária nas reservas do Marajó começaram se intensificar no ano passado com a realização de um estudo sobre o potencial turístico da Resex Terra Grande Pracuúba, feito em parceria com o Instituto Peabiru, e de um seminário sobre o tema. O seminário, ocorrido em dezembro com o apoio da Coordenação Geral de Uso Público do ICMBio, reuniu representantes de 11 UCs do Pará e Amapá.

O intercâmbio teve objetivo de incentivar o diálogo sobre o tema por meio da experiência dos moradores das reservas com os turistas que os visitam. Ao todo, participaram 11 comunitários das Resex Terra Grande-Pracuúba e Mapuá e mais 20 da Reserva Marinha de Soure. Durante uma semana, eles receberam capacitação sobre os conceitos e desafios do turismo de base comunitária, organização social e alimentação.

As oficinas abordaram assuntos como conceitos e vivências criativas, o fortalecimento da identidade e diversidade cultural, valorização da biodiversidade, pertencimento à comunidade e à Resex, valorização do sujeito como protagonista de sua história, desenvolvimento sustentável, extrativismo, impactos do turismo sobre o meio ambiente, o patrimônio cultural, a comunidade e as ameaças do turismo sexual.

Foram tratados ainda temas como boas práticas na manipulação de alimentos, matéria prima local e suas características nutricionais, alimentação voltada ao turismo e alternativas de utilização da matéria prima local.

"O momento e local da atividade foram ideais para trabalharmos esses tópicos. As comunidades estão entendendo os desafios e as oportunidades do turismo de base comunitária e aproveitamos para identificar possíveis alternativas para os moradores que já desenvolvem a atividade", afirmou Aline Simões, Chefe da Resex Terra Grande-Pracuúba.

O intercâmbio contou com o apoio das secretarias de Educação e Trabalho do Pará, das universidades Federal do Pará (UFPA) e Federal Rural do Pará (UFRA). Foram também programadas ações futuras, como a elaboração de um plano de ação e a realização de um segundo módulo do intercâmbio em setembro.

O turismo de base comunitária é uma realidade para muitas comunidades extrativistas no Brasil. O ICMBio, por meio da Coordenação de Uso Público, trabalha o tema com as comunidades e, com o apoio de parcerias instituições públicas e privadas, busca oferecer capacitação aos moradores.

"Só assim, com o envolvimento da comunidade e parceiros, poderemos diminuir as dificuldades e criar uma rede de ação para desenvolver as atividades do turismo de base comunitária com mais consciência e participação, gerando novas oportunidades e buscando um desenvolvimento sustentável para as reservas extrativistas", concluiu Aline.

http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/4-geral/3674-reserv...