As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

G1 - http://g1.globo.com/
31/10/2015
Paisagem natural encanta visitantes da Floresta Nacional de Carajas

Passeio entre cavernas e banho de cachoeira fazem parte de passeio que conduz visitantes por dentro da floresta.

A mata fechada, as cavernas e uma cachoeira de águas claras são as principais atrações da Floresta Nacional de Carajás. A entrada para a floresta é localizada no centro de Parauapebas, no sudeste do Pará, local onde os visitantes recebem as últimas orientações para percorrer uma trilha por dentro da reserva.

A viagem começa pela estrada Raimundo Mascarenhas e o primeiro ponto de parada fica a 1.700 metros acima do nível do mar. Do mirante, é possível conhecer a maior mina de minério de ferro a céu aberto do mundo na Serra dos Carajás.

A atividade mineral movimenta a economia de Parauapebas e a demonstração faz parte do roteiro do ecoturismo desenvolvido na região. "A gente tem que aproveitar o que a cidade tem para oferecer, né? Agora eu estou descobrindo", diz a servidora pública Josilene dos Santos.

Uma estrada de chão que corta a floresta conduz ao próximo ponto de parada, onde os veículos são deixados e a sequência da trilha é feita a pé por 400 metros. A trilha segue pela savana metalófila, uma espécie de vegetação típica de onde existe ferro aflorado.

Como se trata de uma rocha, o crescimento de árvores de grande porte é impossibilitado. A impressão também é a de que a vegetação é sempre seca. A primeira caverna encontrada no passeio é a da guarita. A entrada no local só é permitida em companhia dos instrutores e é realizada por grupos de, no máximo, dez pessoas por vez.

"A caverna adquiriu esse nome, de guarita, porque aqui foram encontrados artefatos dos primeiros homens amazônicos, pré-históricos ainda. Esses artefatos denunciaram que a atividade realizada por eles era uma atividade de visualização, de checagem de outro pessoal que poderia estar chegando, por isso ficou o nome de guarita", explica Méssia Santos, condutora dos visitantes.

Para o fotógrafo Anderson Souza, a paisagem é inspiradora. "Poder visitar essas cavernas com várias espécies nativas da região e poder documentar isso através de fotografia é muito gratificante"

Após as cavernas, o passeio segue por dentro da floresta até um alojamento que serve como ponto de apoio para os turistas que passeiam pela mata. A partir do alojamento, os visitantes seguem por dentro da mata até o último ponto da trilha.

A formação rochosa na chegada a cachoeira é um convite para a diversão e a sequência do caminha termina na cachoeira de águas claras, uma recompensa da floresta aos seus visitantes. "Estou encantada, maravilhada com toda essa beleza. O ar puro que tem a natureza, eu estou adorando", diz a autônoma Sara Cardoso

Serviço:
Maiores informações e agendamento de visitas pelas trilhas da floresta são feitos pelo telefone da cooperativa de turismo: (94) 98119-6912.

http://g1.globo.com/pa/para/e-do-para/noticia/2015/10/paisagem-natural-e...