As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

FSP, Tendencias/Debates, p. A3
06/06/2012
O verde, a Copa e a Rio+20

O verde, a Copa e a Rio+20
Temos agora a oportunidade, com esses eventos, de assumir o protagonismo na questão ambiental, que ainda patina na agenda dos governos

Gastão Vieira

A Copa de 2014 e a Rio+20 darão ao Brasil a oportunidade de assumir o protagonismo sobre um tema que ainda patina na agenda dos principais governos: a questão ambiental.
Além do legado material, os eventos permitem ao país instituir uma filosofia de desenvolvimento na qual a preservação de recursos naturais e da biodiversidade sejam compromissos essenciais.
Na Alemanha, sede da Copa de 2006, a pauta sobre sustentabilidade foi adotada de forma organizada, a partir do programa Green Goal, que coordenou medidas para o uso racional da água, redução e reciclagem de lixo. Pela primeira vez na história do torneio, a emissão adicional de gases causadores do efeito estufa foi compensada.
Na África do Sul, sede da última Copa do Mundo, o tema também foi trabalhado, com esforços concentrados em Cape Town, com ações de sensibilização da sociedade.
No Brasil, é convergente o interesse do governo, da iniciativa privada e da sociedade civil em aproveitar os exemplos para construir uma Copa Verde. A Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, será um passo importante para direcionar uma década que almeja ter o meio ambiente como árbitro do desenvolvimento econômico e social global.
Para o planejamento turístico nacional, o momento não poderia ser mais oportuno.
No encontro, uma grande ação dos ministérios do Turismo e do Meio Ambiente dará visibilidade ao papel brasileiro na campanha global Passaporte Verde. Ela estimula o turista a adotar um consumo responsável, mostrando de que forma as escolhas podem contribuir para a conservação ambiental e a qualidade de vida nos destinos visitados.
As principais iniciativas do ministério estão alinhadas para favorecer a diversidade natural enquanto atração turística. Para brasileiros e visitantes, o sucesso da Copa 2014 será avaliado, também, a partir da dimensão e do valor dado ao conceito de sustentabilidade.
O aproveitamento dessa estratégia está presente no projeto Fomento ao Turismo nos Parques e Entorno. Ele promove a aproximação entre a cadeia produtiva e os gestores locais na chapada dos Veadeiros (GO), serra dos Órgãos (RJ), Aparados da Serra (RS e SC), Anavilhanas (AM) e Fernando de Noronha (PE).
Painéis de informações turísticas, mapas e um relatório com boas práticas em sustentabilidade são os produtos finais da iniciativa, que serão levados e aplicados às 12 sedes da Copa 2014 -os "Parques da Copa".
Os "negócios verdes" terão prioridades. Parceria entre o Ministério do Turismo e o BNDES, dentro da linha Procopa Turismo, garante à hotelaria créditos especiais, com prazos e juros reduzidos, para a reforma e construção de empreendimentos com preocupação ambiental.
Com a expectativa de recebermos 600 mil turistas de outros países e 3 milhões de viagens domésticas somente durante a Copa do Mundo, precisamos, sim, de um trabalho acelerado em infraestrutura, sinalização, estradas, aeroportos e serviços. Mas o meio ambiente é tema transversal em todas as iniciativas. O Brasil será cobrado e estaremos prontos para servir de exemplo.

Gastão Vieira, 65, advogado, é ministro do Turismo

FSP, 06/06/2012, Tendências/Debates, p. A3

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/47124-o-verde-a-copa-e-a-rio20....