As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/
05/02/2016
Numero de visitantes nas UCs federais aumenta 320%

Nos últimos dez anos, a visitação nas unidades de conservação (UCs), geridas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), teve aumento de 320%, passando de 1,9 milhão de pessoas em 2006 para 8 milhões em 2015.

Embora não tenha um estudo efetivo que indique o motivo desse aumento, a diretoria de Criação e Manejo (Dimam), do ICMBio, lista algumas ações que, sem dúvida, contribuíram, em muito, para estruturar as unidades e atrair mais visitantes.

"Temos priorizado o investimento em ações estruturantes, como a capacitação de servidores, o estabelecimento de diretrizes e normas gerais, a delegação de serviços de apoio à visitação e a atuação em conjunto com instituições parceiras", diz Lilian Hangae, diretora de Criação e Manejo (Diman) do ICMBio.

Com orientações técnicas estabelecidas, prossegue ela, as experiências adquiridas são multiplicadas regionalmente, diminuindo os custos e levando à implantação de atividades de uso público com maior agilidade, maior ou menor grau de complexidade e em diferentes categorias de unidades de conservação.

Sobre o perfil dos visitantes, Lilian lembra que o assunto é objeto de uma constante preocupação da Diman, pois representa o fio condutor dos procedimentos de estruturação e ordenamento da visitação.

No geral, diz ela, esse perfil varia de acordo com os atributos ambientais e sociais das UCs. "Cada unidade de conservação tem uma abordagem em termos de atividades disponibilizadas para visitação e estas atividades, em muitos casos, estabelecem o perfil dos visitantes"

Mesmo admitindo que apenas algumas poucas unidades disponham, no momento, de estudos específicos sobre visitação, Lilian afirma que observa-se significativos avanços na realização de pesquisas e desenvolvimento e aplicação de metodologias que levam a esse conhecimento.

Como exemplo, ela cita a Floresta Nacional do Tapajós, no Pará, e o Parque Nacional de Anavilhanas, na Amazônia, que vêm buscando este conhecimento por meio de cooperação técnica com o Serviço Florestal Americano e apoio da USAID (agência de desenvolvimento dos EUA), dentro do Programa de Parcerias para a Conservação da Biodiversidade na Amazônia, estabelecido entre os governos brasileiro e norte-americano e a Universidade West Virginia.

Por fim, para destacar a importância do turismo nas UCs, Lilian afirma que uma das premissas para o alcance da missão do ICMBio, que é proteger o patrimônio natural e promover o desenvolvimento socioambiental, é o fortalecimento e qualificação da visitação nas unidades federais.

"A visitação é uma ferramenta estratégica de sensibilização para a conservação e estímulo ao desenvolvimento do sentimento de pertencimento da sociedade em relação a estas áreas protegidas", conclui a diretora.

Veja mais dados sobre visitação em Unidades de Conservação federais aqui.

http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/4-destaques/7579-nu...