As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Museu Goeldi - http://www.museu-goeldi.br
20/04/2011
Museu Emilio Goeldi realiza acoes de preservacao em Algodoal

Há três anos o Museu Paraense Emílio Goeldi é parceiro da Advocacia-Geral da União nas ações da área educacional da FTPZC. Em Algodoal cerca de 100 pessoas estarão atuando em praias e praças com o objetivo de sensibilizar e conscientizar, tanto banhistas quanto a população local, durante o feriado da Semana Santa.

As ações iniciaram nesta segunda-feira, 18, com um debate público sobre os problemas ambientais existentes na ilha, objetivando a coleta de informações para ações futuras. Na terça-feira foram feitos encontros ambientais com a população e empresas instaladas na localidade, objetivando o esclarecimento de leis ambientais e do consumidor.

Com a chegada da Semana Santa, na qual parte da população de outras cidades procura a ilha de Algodoal, nos dias 20 e 21, as ações estarão voltadas para os banhistas e ambulantes.

Servidores do Museu Goeldi estarão em pontos diferenciados atuando na prevenção de condutas danosas ao meio ambiente e repressão a possíveis crimes ambientais.

"Nós temos um Projeto que atua juntamente com a Força Tarefa, que é o 'Praia Limpa', que tem como objetivo passar informações científicas de forma acessível sobre os problemas ambientais, focando na região de atuação daquele momento. O que pretendemos é conscientizar a população que tem como aproveitar a praia sem degradar o meio ambiente, e para isso, utilizamos recursos para alcançar todos os públicos, como jogos, maquetes entre outros", explica o Chefe do Serviço de Educação e Extensão do Museu Emílio Goeldi, Luiz Videira.

O processo de reeducação da população foi verificado com a exploração da região amazônica, como a atividade madeireira, garimpo e projetos que comprometeram a fauna, flora e o clima da região, assim com a atividade produtiva do amazônida.

E o problema não é somente nas zonas urbanas, mas no ambiente costeiro, onde ocorre uma intensa degradação de dunas e areais, para construção de imóveis, atraindo grande número de pessoas e aumento da produção de lixo.

Dunas e manguezais e as próprias praias tem uma função ecológica. Servem de barreiras naturais contra a força da água, de berçário para diversas espécies marinhas, além de exercerem um papel no desenvolvimento socioeconômico de muitos municípios costeiros. Esses ambientes são considerados Áreas de Preservação Permanente e, são protegidos por lei.

As ações da FTPZC buscam sensibilizar a população com relação a problemas do meio ambiente, e que a mudança de atitudes pode modificar esse quadro. Através da atuação na área educacional, o Museu Goeldi expõe a importância ecológica e econômica dos ecossistemas, identifica problemas, investe em conscientização de turistas, ambulantes e da população local, e busca apoio de gestores para aplicar políticas públicas voltadas à proteção do meio ambiente.

Desde 1989, existe um processo de criação da Área de Preservação Ambiental de Algodoal-Maiandeua, que partiu da própria população para resguardar recursos e belezas naturais, que estavam perdendo-se com a crescente atividade turística na região.

http://www.museu-goeldi.br/sobre/NOTICIAS/2011/abril/20_04_2011b.html