As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

www.algodoal.com
28/03/2007
Matanca de botos e golfinhos na APA de Algodoal-Maiandeua

Pescadores artesanais que vieram para o entorno do APA de Algodoal-Maiandeua, atraídos pela captura da "dourada", espécie muito abundante na região do salgado paraense nessa época do ano, estão sendo acusados da prática de crimes ambientais.

Moradores da Ilha de Maiandeua informaram que vários cetáceos (botos e golfinhos) apareceram mortos nas praias e nos rios da região, fato que é atribuído à utilização de redes de arrastão pelos proprietários das dezenas de embarcações de pesca, que se amontoam às proximidades do porto que faz a travessia Marudá-Algodoal.
"Os botos se aproximam para comer os peixes capturados, ficam presos nas redes e são mortos pelos pescadores", declarou uma moradora indignada com a matança.

Além da mortandade de cetáceos, a pesca com a utilização de redes de arrastão re-presenta uma ameaça potencial à fauna aquática da APA, pois inúmeras espécies importantes para a cadeia alimentar também são mortas indiscriminadamente e, sim-plesmente, descartadas no mar, devido ao seu baixo valor comercial, como é o caso do peixe conhecido como "cinturão".

Segundo policiais da Divisão Especializada em Meio Ambiente - DEMA, da Polícia Civil, que entre os dias 03 e 06 de março esteve na APA autuando moradores das praias da Vila de Algodoal, pela suposta prática de crime ambiental, a denúncia de matança de animais já está sendo devidamente apurada.

Para denunciar crimes ambientais:

SECTAM
Tel. 3184 3318 ou acesse
www.sectam.pa.gov.br/faleconosco.htm

IBAMA
Tel. 0800 61 80 80 ou envie email para
linhaverde.pa@ibama.org.brEste endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar ativado para poder visualizar o endereço de email

DEMA
Tel. 3238 3132