As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Radio EBC - http://radios.ebc.com.br
23/07/2015
Justica proibe reducao de territorio quilombola no Amapa

A Justiça Federal proibiu o Incra e o ICMBio, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, de reduzirem o território da comunidade quilombola do Cunani, no Amapá. Ela está localizada dentro do Parque Nacional do Cabo Orange.

A decisão é resultado de ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal em dezembro do ano passado. A medida também obriga as instituições a ouvirem a comunidade para que se chegue a um acordo sobre os conflitos que envolvem a terra dos quilombolas e o parque.

O chefe do Parque Nacional do Cabo Orange, Ricardo Pires, destaca que a convivência com a comunidade tradicional é harmoniosa, mas explica que a redução da área ocupada pelos moradores é essencial para a preservação da unidade de conservação.

Sonora: " Tem dois pontos que definem muito bem o tamanho desta área. É um lago, que é no limite para norte. E tem uma jazida de manganês a oeste. Ficou muito claro que o lago eles usam uma vez por ano. Não é essencial para a sobrevivência deles. E a jazida eles têm intenção se conseguir, um dia que eles iam querer usar. Usar uma jazida de manganês num rio que atravessa o parque. Assim, para o parque é impensável."

Ricardo Pires afirma que a partir da decisão, o ICMBio vai trabalhar na construção de um termo de compromisso que oficialize as normas de convívio. De acordo com o Ministério Público, os moradores não foram consultados sobre as possíveis medidas para solucionar o problema.

A Justiça em Oiapoque concluiu que é possível a convivência da comunidade tradicional e a preservação ambiental. Também estipulou prazo de 60 dias para que o ICMBio estabeleça normas e ações específicas com o objetivo de harmonizar a presença dos habitantes com os interesses da unidade.

A decisão destaca que não deve existir prejuízo do modo de vida, das fontes de subsistência e dos locais de moradia da população. Os moradores e o Ministério Público devem participar da elaboração do documento. A comunidade de Cunani é reconhecida oficialmente desde 2005. São cerca de 120 pessoas. Elas sobrevivem da agricultura de mandioca, extrativismo de açaí e da pesca de subsistência. Procurado pela reportagem, o Incra afirma que ainda não foi notificado sobre a decisão e que só vai se manifestar depois de conhecer o conteúdo da determinação.

Confira ainda no Repórter Amazônia desta quinta-feira, 23: presos em Roraima começam a testar tornozeleiras eletrônicas; decreto define o marco regulatório do manejo do pirarucu no Amazonas. E mais: o Paysandu avança para as oitavas de final da Copa do Brasil. O Repórter Amazônia é uma produção da Rede de Rádios Públicas da Amazônia e vai ao ar, de segunda a sexta-feira, às 18h30 pela Rádio Nacional da Amazônia.

http://radios.ebc.com.br/reporter-amazonia/edicao/2015-07/justica-proibe...