As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Ibama - http://www.ibama.gov.br/
20/08/2014
Ibama emite licenca previa para plano de ampliacoes das minas de ferro N4 e N5 da Vale S.A. em Carajas

O Ibama emitiu hoje (20) a Licença Prévia no 488/2014, referente ao plano de ampliações das minas N4 e N5 em Carajás. O projeto representa a continuidade das lavras das minas da denominada Serra Norte, tendo sido dada a viabilidade ambiental para exploração de corpos minerais adjacentes às minas abrangidas na Licença de Operação no 267/2002 (LO 267/2002).

Segundo a Vale S.A., a área coberta pela licença emitida pelo Ibama contém massa da ordem de 1,8 bilhão de toneladas de minério de ferro. Adicionalmente, a empresa informou que o minério contido na área do EIA Global é de grande importância, pois é de excelente qualidade e assegurará a posição da empresa como maior exportadora brasileira no setor de mineração, além de contribuir significativamente para a elevação das receitas da balança comercial brasileira.

O licenciamento em questão representa uma consolidação do trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Ibama desde o ano de 2002, na busca contínua por melhorias na gestão ambiental do empreendimento. O Plano de Ampliações contempla não somente a lavra de corpos minerais mas também avança no sentido de possibilitar a utilização de estruturas de beneficiamento já implantadas, como usinas, correias transportadoras, acessos viários, pilhas de estéril e estruturas administrativas. Releva-se, neste contexto, a previsão de implementação de cerca de 1.246 hectares de pilhas de disposição de estéril (PDE) em áreas de cava já lavradas, reduzindo-se, assim, a influência sobre áreas naturais da Floresta Nacional (Flona) de Carajás. Ademais, a nova usina de beneficiamento que foi instalada e incorporada à LO 267/2002 se encontra no bojo do plano das ampliações e traz ganhos significativos ao projeto, pois opera sem a necessidade de adição de água, minimizando, assim, a geração de rejeito e uso de água.

Além disso, a interação técnica entre o Ibama e o ICMBio, conforme Portaria no 55/14, propiciou melhora na conservação das áreas de ocorrência de canga, ambientes naturais associados a depósitos de minérios de ferro, e do patrimônio espeleológico presente na Flona de Carajás.

http://www.ibama.gov.br/publicadas/ibama-emite-licenca-previa-para-plano...