As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

O Liberal-Belem-PA
14/11/2002
Ibama comeca a implantar o primeiro Corredor Ecologico

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) inicia hoje, no Hotel Paraíso, em Mosqueiro, a implantação do primeiro Corredor Ecológico para proteger o meio ambiente costeiro do Pará. A medida visa garantir o desenvolvimento ecológico da região e oferecer às comunidades locais alternativas para a exploração correta dos recursos naturais, com a certeza de ampliar o número e a área de unidades de conservação em ecossistemas estuarinos.

Com a criação do Corredor de Gestão Biorregional da Zona Costeira Paraense, o Ibama pretende impedir a crescente degradação ambiental em uma área estimada em quinhentos quilômetros quadrados - da ilha do Marajó/PA ao rio Gurupi/divisa com o Estado do Maranhão. Para discutir a implantação do projeto o Ibama se reúne com seus parceiros federais, estaduais e municipais, ONGs, sindicatos, cooperativas e conselhos regionais que representam direta ou indiretamente as comunidades locais envolvidas com o projeto de Gestão Biorregional da Zona Costeira Paraense.

O Corredor Ecológico abrangerá 27 municípios e será dividido em três áreas-núcleo: Costa Atlântica, Continental Estuarino e Insular Estuarino. A informação é dos responsáveis pelo projeto: os geólogos Zanoni Carmo Ferreira, coordenador de Conservação de Ecossistemas do Ibama/sede, e Iloé Listo de Azevedo - CNPT/PA.

O projeto de Gestão Biorregional interligará as cinco áreas de Proteção Ambiental da costa paraense: APAs do Marajó, Algodoal Maiandeua, Ilha de Canela, Urumajó e Jabatiteua Jatium à Reserva Extrativista Marinha de Soure e a outras oito reservas em fase de criação. A intenção é formar um extenso corredor para preservar as áreas ou recuperar as já alteradas por atividades agrícolas, pastoris, extrativistas e imobiliárias, que há 20 anos vêm degradando e modificando os ecossistemas da zona costeira do Pará, com aterros de mangues e corte indiscriminado da Floresta Amazônica.
(-O Liberal-Belém-PA-14/11/02)