As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Agencia Para - http://www.agenciapara.com.br
02/08/2011
Garrafas pet sao reaproveitadas na Vila de Fortalezinha

Sensibilizar a população local do potencial econômico dos resíduos produzidos na ilha, principalmente na época de veraneio, foi o objetivo da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) em parceria com o Grupo Ambiental de Fortalezinha (GAF) na última semana, ao realizar a oficina de reaproveitamento de garrafas pet's na vila de Fortalezinha. Essa parceria busca fortalecer as organizações sociais da Área de Proteção Ambiental (APA), divulgando-as diretamente no processo de Educação Ambiental.A oficina faz parte do projeto "Lazer Consciente" promovido pela APA de Algodoal- Maiandeua.

O artesão Arley Santos, que trabalha com pet's há três anos, foi o responsável por ensinar aos moradores e visitantes da ilha, os objetos e utensílios que podem ser feitos com esse tipo de resíduo. Ao começar a oficina, Arley explicou os vários tipos de lixo e falou da importância da reciclagem e da coleta seletiva. "Separando as garrafas, elas podem ser reaproveitadas. Todos os utensílios e objetos que eu vou ensinar aqui são feitos com total reaproveitamento da garrafa", explicou o artesão.

Cauã da Silva, de 6 anos, aproveitou que estava em Fortalezinha e quis fazer a oficina. "Quero aprender a fazer o puff e um carrinho, e quando chegar em Belém vou ensinar meus primos". Outra visitante, a estudante Lana, de 9 anos, abusou da criatividade e criou seus próprios utensílios: uma cestinha, um relógio e um óculos.

A geógrafa Graça Santana, proprietária de uma pousada na vila e conselheira da APA pelo Museu Paraense Emilio Goeldi, fez um comentário sobre a importância de fomentar esse tipo de atividade. "Essa oficina desperta a habilidade e o processo criativo das pessoas que moram e frequentam a vila. Aqui, eles aprendem a criar utensílios que vão ajudar no dia a dia deles".

Nos dois dias de oficina, Arley ensinou a fazer diferentes tipos de luminárias, puffs, carrinhos, flores, bolsas, porta lápis e vassoura. "Tem gente que diz que dá trabalho fazer esses objetos. Eu digo que trabalho é a natureza que vai ter para decompor essas garrafas, se elas não forem reaproveitadas, recicladas", finalizou o artesão.

Teatro de Fantoches

"Conhecendo a APA Algodoal-Maiandeua" foi a peça de teatro de fantoches apresentada por técnicos da Coordenadoria de Unidades de Conservação (CUC), da Diretoria de Áreas Protegidas da Sema, para as crianças da vila. Ensinamentos como a época certa da pesca de camarões e caranguejos, além do destino do lixo, foram alguns dos assuntos abordados através dos personagens Serafina, Zé do Mangue e Papagaio Afoito.

Algumas crianças disseram que já conheciam o termo APA e que a peça ensinou como elas devem cuidar do meio ambiente. Depois da apresentação, várias dinâmicas, brincadeiras e um delicioso lanche foram oferecidos para as crianças.

http://www.agenciapara.com.br/noticia.asp?id_ver=81251