As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

http://www.brasilturis.com.br
23/02/2011
Estudo revela falta de mao de obra em parques nacionais

Falta de capital para investimento, giro e ausência de mão de obra. Esses são alguns dos desafios enfrentados por pequenas empresas localizadas no entorno de parques nacionais nas cinco regiões do país. As informações fazem parte do diagnóstico encomendado no âmbito do Projeto de Fomento ao Turismo em Parques Nacionais e Entorno, pelo Sebrae, Ministério do Turismo, Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O levantamento encerra a primeira fase da parceria. Essas e outras informações levantadas servirão de subsídio para a realização de ações piloto em cinco parques nacionais, um em cada região. São eles: Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (GO), Parque Nacional da Serra dos Órgãos (RJ), Parque Nacional Aparados da Serra (RS/SC), Parque Nacional de Anavilhanas (AM) e Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (PE).

O gerente de comércio e serviços do Sebrae, Juarez de Paula, afirma que o projeto é um desafio. "Não se trata apenas de turismo, mas também de desenvolvimento territorial. Precisamos ter esse olhar para conseguirmos enfrentar o desafio de aliar preservação ambiental e sustentabilidade com as necessidades locais", ressalta.

Os turistas que freqüentam os municípios próximos dos Parques Nacionais possuem boa escolaridade e renda. A maioria vem de capitais, principalmente do próprio estado do destino, exceto Fernando de Noronha. Cerca de 40% dos turistas vão a essas localidades em busca de descanso e acompanhados de suas famílias (50%). O que representa o destino turístico para esses turistas é a exuberância da natureza. Apenas em Anavilhanas, a cultura foi elencada como ponto marcante.

O projeto segue agora para sua segunda fase. Com base nas informações coletadas, as unidades estaduais das entidades envolvidas vão traçar ações para serem aplicadas nos próximos meses. A ideia é replicar posteriormente essas experiências nos outros 20 parques nacionais existentes no país.

http://www.brasilturis.com.br/diretodaredacao_materia.neo?Materia=20520